10 Preservativos:
De Crente a 9 de Setembro de 2009 às 14:25
A minha às vezes também me apetece ver o Dr. House... e sou gaja. Posso?


De abelha-maia a 9 de Setembro de 2009 às 17:02
Eu tb gosto de ver Dr. House!
Agora há gajos ke não gostam de fazer minetes...há gajas ke não gostam de fazer broches e assim por diante!
O mais importante é respeitar cada ser... seja gajo ou gaja.
Mas se não keres parecer ke acabaste de ser parido...muda de posição!
Quando vcs pedem determinada posição e vos dizem ke não...ficam FULOSSSSS.
Agora quando as gajas vos pedem algo ke gostam e vcs n apreciam... "EU NÃO FAÇO FRETES!!"
Ora as gajas tb não fazem fretes!!!


De umaoutragaja a 9 de Setembro de 2009 às 17:10
Abelha, :-)
Nem mais!
Não aos fretes!


De OGajo a 9 de Setembro de 2009 às 17:16
Precisamente. Nada de fretes (de parte a parte), é uma questão de encontrar a harmonia e a compatibilidade.

"A única responsabilidade no sexo é dar prazer ao outro e conseguir desse acto retirar satisfação."

Sem machismos e coisas dessas. Apenas a busca da harmonia :)


De João a 10 de Setembro de 2009 às 02:45
O sexo devia ser um momento agradável passado entre duas pessoas (Ok, podem ser mais mas normalmente) em que ambas deviam estar á vontade com o que estão a fazer.
A partir do momento em que já é "robotizado" o homem/mulher já não passa dum/a gigolo/put* e acho que ninguém gosta de ser gigolo/put* . As coisas dão mais gosto fazer quando estamos descontraídos, as pessoas não deviam fazer sexo "porque sim" deviam fazer sexo porque lhes apetece.
O Robocop já não tem óleo e acho que há mulheres que têm de perceber isso.


De AGaja a 10 de Setembro de 2009 às 10:00
Olá João

"A partir do momento em que já é "robotizado" o homem/mulher..." devem saber dizer adeus e partir para algo que os satisfaça fisicamente e mentalmente.

Obg pela visita e volta sempre.


De João a 11 de Setembro de 2009 às 06:48
Concordo contigo mas na realidade as coisas não são sempre assim, os casais normalmente habituam-se a determinados comportamentos. Na realidade a maioria dos casais não vivem satisfeitos tanto com a vida sexual como o resto.
Na maioria dos casos a única coisa que os prende são no caso de ser casados os bens no nome dos dois, filhos e a "responsabilidade" de já ser casado, se o casal não for casado normalmente o que prende uma pessoa á outra(nestes casos) são os problemas financeiros de uma das partes.
É feia mas é a realidade das coisas. ;)

Fica bem
João


De http://shakermaker.blogs.sapo.pt a 10 de Setembro de 2009 às 18:23
Ora viva!

Obrigado por esta mensagem de esperança e incentivo para todos os homens que são obrigados a fazer minetes nas horas de futebol na televisão ou quando estão a dar as nossa séries preferidas.

Uma vez fui obrigado a passar o corredor a pano enquanto estava a dar um filme do Steven Segal. Ainda hoje sofro com isso. Marcou-me muito.

Um abraço...
shakermaker


De mfc a 11 de Setembro de 2009 às 18:39
Não sou peremptório!
depende da vasilha.


De blue258 a 28 de Setembro de 2009 às 14:43
OGajo , então, " não à asfixia sexual"? Muito bem.

Mas já que gostas de História, relembro-te: e a asfixia sexual (para não falar na ideológica etc , etc ) a que as mulheres foram sujeitas durante todos estes séculos?
Onde é que isso fica? Pois é. Os homens acusam-nos de só olharmos para o nosso umbigo - de usarmos a igualdade de direitos e não sei quê não sei que mais... mas na primeira oportunidade sacam do mesmo argumento e põem-se logo a fazer queixinhas.


Numa coisa concordo contigo - fazer sem gosto ou sem jeito - realmente mais vale não fazer. Mas aprendia-se. Adquiria-se o gosto pela coisa.

Porque não posso deixar de dizer, eu sou apologista do fazer o que o outro gosta - e da reciprocidade. Se não for nisto, noutra coisa será.



Comentar post